Follow by Email

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Copa do Brasil - No Engenhão teve de tudo para Bota e Mengo. Faltou o gol

Foi um clássico tenso ontem (16-08), no Engenhão, entre Botafogo e Flamengo, primeiro jogo das semifinais da Copa do Brasil. Expulsões do goleiro Muralha e do zagueiro Carli (foto); uma bola na trave de Diego, em cobrança de falta, muito disse me disse, discussões, empurrões e no final o placar justo: 0 a 0. A decisão da vaga fica para a próxima quarta-feira, no Maracanã. Novamente será um confronto de arrepiar, diante do desejo de ambos de garantir uma vaga na finalíssima. O torcedor, com certeza, verá outro belo espetáculo e com gols.  Não vai dar para ficar atrás jogando para não levar gols.

Na estreia de colombiano Reinaldo Rueda no comando do Flamengo, o time não vacilou. Foi coeso. Já o Botafogo fez aquele jogo de sempre e chegou com perigo em algumas oportunidades. O placar coloca o Alvinegro em uma situação boa para a segunda partida, porque se acontecer o empate com gols, a vaga será sua. No caso de repetição do 0 a 0, a decisão será por pênaltis. O Flamengo terá de ir com tudo para cima e confirmar porque é o papa títulos entre os cariocas na Copa do Brasil. Busca o quarto, enquanto o Botafogo jamais teve esta alegria.

Proposta do Cruzeiro foi defender e a do Grêmio fazer pelo menos 1 a 0. Conseguiu

Tudo dentro da previsão hoje (16-08), na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Um jogo pegado, marcação firme, com o time gaúcho procurando o gol os 90 minutos (tinha de aproveitar a chance por estar em casa) e o Cruzeiro só defendendo. Tanto que na primeira etapa chutou apenas uma bola ao gol. Na segunda, um pouco mais. Ameaçou de verdade uma única vez. Já nos descontos, quando Raniel passou pela zaga e pouco não empatou. Marcelo Grohe saiu bem do gol. No resto, os celestes ficaram atrás.

A lição de mais uma decisão entre Cruzeiro e Grêmio pela Copa do Brasil foi a dificuldade de ambos quando o adversário ficou todo atrás da linha da bola, a arma dos cruzeirenses. Fizeram um bloqueio e na bola do jogo o Grêmio (foto) conseguiu fazer a vantagem. Fábio considera que não falhou no lance do gol. Na defesa parcial colocou a bola nos pés de Barrios. Ele. porém, foi gigante, com pelo menos duas defesas espetaculares na primeira etapa. Ficou claro que o Cruzeiro jogou sem força ofensiva. Assim fica difícil, mesmo em casa, na próxima quarta-feira, fazer dois gols e chegar à finalíssima. É decisão e o torcedor tem de acreditar. Fazer a sua parte. Não impossível, realidade da decisão, com o placar em aberto. O Grêmio joga com a vantagem do empate.

Não há dúvidas de que o Grêmio, mais organizado, comandou as ações. Foi o dono da bola. A vantagem de dois gols que desejava, não teve futebol para alcança-la. O 1 a 0 foi justo.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Copa do Brasil - Os gigantes Cruzeiro, Grêmio, Bota e Flamengo agitam as semifinais

Resultado de imagem para imagem do escudo do botafogo
gremio entre os maiores campeões da copa do brasilcruzeiro entre os maiores campeões da copa do brasilflamengo entre os maiores campeões da copa do brasil
Chegou a hora de mostrar quem tem futebol, quem não esconde da bola e quer fazer história. Não só isso: encher de orgulho a massa torcedora. Quem não gostaria hoje de ser cruzeirense, gremista, flamenguista ou botafoguense? Dois deles estarão, depois dos jogos desta noite(17-08) e da outra semana, com a vaga na finalissima da Copa do Brasil, caminho mais curto para se chegar à Copa Libertadores 2018. Será uma quarta-feira de emoções e de provas. Não arrisco apontar quem vai levar, apesar do Grêmio entre eles apresentar o melhor futebol. O Tricolor Imortal e o Botafogo estão também na fase decisiva da Libertadores, o que acarreta em uma série de fatores. Um deles e talvez o mais forte: no futebol brasileiro não há um time capaz de conquistar o título das três competições mais importantes: Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores. 

O Grêmio no papel não é poderoso. Tem uma dupla de zaga muito boa e na frente Luan diferenciado. Os demais são jogadores aplicados. Alguém vai dizer que o Pedro Rocha joga muito. O vejo como um corredor que sabe usar sua velocidade. Não mais do que isso. No final do ano passado, depois de fazer a diferença na Copa do Brasil contra o Atlético-MG é que ganhou a titularidade. Reconhecimento. A força está na regularidade individual e principalmente na coletividade. Simples e objetivo, com movimentação. Seu técnico Renato Gaúcho ainda está em prova. Claro que tem capacidade, mas não é o sábio que julga ser. A experiência da bola (tempos de jogador) o ajuda muito nas decisões. Observem.

O Cruzeiro tem a base do ano passado, com Mano Menezes. É um time que em nomes dispensa comentários. Agora na produção deixa muitas dúvidas. Este é o momento para salvar o ano. Aponto quatro jogadores diferenciados: Fábio, Diogo Barbosa, Thiago Neves e Henrique, este graças a experiência, a técnica e a resistência. É um líder. Em qualquer outro clube seria ídolo. Jamais visto pelos cruzeirenses desta forma. Os outros são peças importantes: Romero, Ariel, Sóbis (em forma estaria outro peso na balança), Alisson etc. Evidente que no momento Pedro Rocha é superior ao atacante cruzeirense, mas se Mano Menezes é tudo que dizem, vai saber usar tão bem seu atacante quanto Renato Gaúcho faz com o seu. Jogo de xadrez, sem carta marcada. Só doente diz que seu time já levou.

Flamengo e Botafogo, além da rivalidade, é um jogo que mexe com o torcedor carioca. O Flamengo se preparou para ser campeão. No papel, o melhor entre os quatro. Agora trocou de técnico. Chego a arriscar que vai levar o título pela quarta vez. Tem três, mais três como vice e chegou cinco vezes às semifinais. Gigante. O Botafogo é o patinho feito que deu certo. Vai chegando. Time aplicado. Tem um comando seguro, tecnicamente é o mais fraco dos quatro. Porém hoje o que faz a diferença é a determinação. Esta é a palavra chave do Bota. Tem  de ser visto como muito respeito. O único entre os quatro que jamais ganhou a Copa do Brasil.
   

domingo, 13 de agosto de 2017

Galo bate o Flamengo e tira das costas um pesado fardo


Hoje Corinthians, Grêmio, Palmeiras e Santos, pelo que estão jogando no Brasileiro, estarão na Libertadores, ficando as outras duas vagas para Botafogo, Sport, Atlético-PR, Flamengo, Fluminense, Cruzeiro e Atlético-MG. Missão nada fácil. Pode surgir mais duas vagas entre eles pela conquista da Copa do Brasil ou da Sul-Americana. O Galo terá de recuperar muito o que deixou de fazer. São oito derrotas, Ser gigante em casa e melhor ainda como visitante para obter pelo menos 40 dos 53 pontos que estarão em disputa.

De certa forma foi fácil passar pelo Flamengo, que jogou com uma equipe mesclada para aguardar o jogo de quinta-feira contra o Botafogo pela Copa do Brasil. Deu muitos espaços e não imprimiu um ritmo forte. Já o Galo entrou com uma postura superior, procurando o gol e movimentando, principalmente Luan. O resultado só poderia ter sido um: vitória. Fez um gol em cada tempo, com chances de fazer mais. Casares não jogou para ser o protagonista (foi mais coletivo) e Rafael Carioca mostrou que tecnicamente sabe jogar, mas insiste em retardar o jogo, com mais um toque. Com ele está certo que o time jamais jogará no contra-ataque.

Boa vitória, mas há muito ainda para ser recuperado. 

SP fez 3 a 2 no Cruzeiro. Sassá e Hernanes foram feras

A torcida do Tricolor deu sua força e registrou mais um recorde no Brasileiro

Na sequencia da abertura da segunda fase do Brasileiro hoje(1308), no Morumbi, o São Paulo, depois de duas rodadas sem vencer, conseguiu um resultado importantíssimo para fugir da zona de rebaixamento: 3 a 2 no Cruzeiro. Está com 22 pontos, mesma pontuação da Chapecoense que vai enfrentar o Corinthians, apenas no próximo dia 23 e está no 17º lugar. O Cruzeiro não sobe como desejava. Fixa com 27 pontos na sétima posição e poderá ser superado por Atlético-PR, Fluminense e Botafogo na conclusão da rodada.

Foi um jogo interessante, com muitas alternativas. Com vistas ao jogo de quarta-feira contra o Grêmio pela Copa do Brasil, Mano Menezes fez algumas mexidas no Cruzeiro que deram resultado. Duas delas: Digão. Fez uma boa estreia. O problema é que no final levou dois cartões e foi expulso. Mostrou futebol que o garante como uma peça importante para o restante da temporada.

O nome foi Sassá. Perdeu um pênalti e depois mostrou o quanto é eficiente. Marcou dois gols. No primeiro, um belo voleio. No outro, ganhou de Rodrigo Caio na força. Presença de área. A cada momento fica claro que Ábila não fará tanta falta. Hernanes foi o melhor do Tricolor, também fazendo dois gols, um deles de pênalti.

O São Paulo, perante mais de 56 mil pagantes (melhor público do Brasileiro) foi para cima do Cruzeiro. Encontrou um adversário seguro e jogando como se estivesse em casa. Por este motivo foi um jogo de muitas alternativas. Venceu aquele que mais perseguiu o gol. No final, Mano ainda fez as mudanças para dar maior qualidade e experiência ao time. Faltou pouco para fazer o gol de empate. Agora é esperar que o planejado dê certo contra o Grêmio pela Copa do Brasil. No concreto, mais três pontos foram embora.


sábado, 12 de agosto de 2017

Coelho passa pelo Náutico e segue absoluto na Série B


A campanha dos vencedores é simples. Fazer três pontos em casa e pontuar como visitante, como está fazendo o Coelho (foto). No turno, empatou por 0 a 0, com o Náutico, no Recife. Ontem (11-08), recebeu o Timbu no Independência e aplicou-lhe 1 a 0, mantendo a liderança da Série B do Brasileiro na abertura do returno e não só isso: completa 11 vitórias. Campanha de quem vai disputar o título ou seguro para obter uma das quatro vagas do acesso.

Mais uma prova desta matemática pode ser confirmada na próxima rodada, diante do Goiás, em Goiânia. No turno foi 1 a1, no |Horto. Se voltar de lá com os três pontos, mais uma etapa estará cumprida com êxito, deixando para trás os outros concorrentes pelos primeiros lugares.


Não foi um espetáculo para encher os olhos no Horto, mas o Coelho fez o suficiente para vencer. Um gol em uma jogada bem  preparada, com toques de bola, até a conclusão de Hugo Almeida. O Náutico não exigiu muito. Não por acaso que é o lanterna da Série B. Tentou algumas investidas sem sucesso. Para fugir do rebaixamento terá de melhorar muito.

Em Goiânia, o Boa Esporte perdeu por 1 a 0 para o Vila Nova, que também  luta pelas primeiras colocações. Está com 35 pontos, quatro atrás do líder América Futebol Clube.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Libertadores - Determinados, Bota e Santos também estão nas quartas

Análise: Botafogo aprende a decidir em casa, adota rolo compressor e varre rivais
A história do Botafogo na Libertadores 2017 tem sido de gigante e de sonhos

Não foi necessário jogar um primor de futebol para se obter uma das vagas das quartas de final da Copa Libertadores 2017. Apenas ser determinado e jogar com o espírito da competição. Na jornada de ontem (10-08), que concluiu as oitavas de final, ficou bem claro como é importante estar concentrado no jogo, jogando pelo que deseja: o Botafogo fez 2 a 0 no Nacional do Uruguai, no Engenhão, com uma atuação firme. Brigou pela bola e não deu tempo para o rival nem respirar. O segundo gol foi o melhor exemplo, marcado por Pimpão. Antecipou na disputa com o goleiro e fez a diferença.

Outro resultado da garra foi o do Santos. Passou o jogo inteiro tentando controlar o Atlético-PR. Conseguiu graças as belas defesas de Vanderlei e a aplicação do seu setor defensivo. Para coroar seu desempenho, na hora certa, foi lá e fez o gol da vitória por 1 a 0. Assim é a Libertadores. Obtém sucesso quem luta por ele. Os demais ficam batendo palmas. Lições principalmente para dois outros brasileiros: Atlético-MG e Palmeiras que caíram nas oitavas.

Para as quarta de final, teremos três brasileiros e três argentinos, com clássicos: San Lorenzo x Lanús e Botafogo x Grêmio. Os outros dois jogos serão Barcelona de Guayaquil, o estranho no ninho, contra o Santos e River Plate x Jorge Wilstermann, este a grande surpresa. Pela segunda vez na história, leva um time boliviano para as quartas de final, depois numa jornada histórica, já que jamais um representante do País conseguiu eliminar um Brasileiro em mata-mata, em 22 anos de disputas. O Wilstermann fez 1 a 0 em casa e empatou por 0 a 0 com o Galo no Mineirão. Ainda é festa.